Órgão Público

Estudante

Instituição de Ensino

Estagiário

Estágio Obrigatório

Supervisor

Notícias

25/01/2016

A importância de um segundo idioma

A exigência do domínio de um segundo idioma está cada vez mais presente no mercado de trabalho. O profissional que possui esse diferencial tem mais chances de sucesso na carreira e se torna mais competitivo no mundo corporativo. Porém, em alguns segmentos, ter fluência em outra língua passou a ser pré- requisito, principalmente para cargos mais elevados. Inglês, espanhol, italiano e até o mandarim são uns dos idiomas mais solicitados em processos seletivos.

 Gerson Kowalski Junior. Para falar sobre o tema, a Central de Estágio entrevistou o Coach, que atua com projetos de desenvolvimento humano e organizacional, Gerson Kowalski Junior.

C.E.: Por que dominar um segundo idioma passou a ser tão importante para a vida profissional?
G.K.J.: Porque abre muitas possibilidades de inserção para o candidato que busca uma vaga de trabalho, em comparação com o candidato que tem domínio somente de sua língua nativa. O mais interessante nesse quesito é que a segunda língua pode ser essencial para determinadas vagas, ou seja, não se contrata se não tiver a segunda língua. Obviamente que se é uma exigência por parte da empresa contratante, esse candidato irá utilizar essa língua no seu dia a dia de trabalho, mas também há casos em que a empresa não se exige o segundo idioma mas que, com o passar do tempo, o mercado vai mudando e essa empresa, que antes não se relacionava com o mundo exterior, passa a se relacionar e certamente o profissional que domina a segunda língua será visto como um diferencial.

Também é preciso lembrar que o futuro das empresas é incerto, ou seja, quem nos garante que a empresa em que estamos atuando hoje, não será vendida para uma outra internacional? Normalmente, esse processo não é comunicado com antecedência para os colaboradores e, de uma hora para outra, começamos a receber ligações e visitas, que podem ser até de um dos diretores ou gerente do departamento, vindo de outra localidade. Certamente, o colaborador que possui o segundo idioma, estará em uma posição diferenciada e muito mais confortável com a situação.

C.E.: Quais os idiomas mais procurados pelos recrutadores?
G.K.J.: Obviamente que os recrutadores se deparam mais com vagas solicitando o inglês, mas a exigência desse idioma já foi muito maior no passado. Atualmente, há exigências do espanhol, principalmente nos países da América Latina, e o italiano também está entre os mais requisitados. Em alguns casos bem próximos a nós, no Estado do Paraná, solicitam o francês e o alemão. Além desses, temos ainda os menos requisitados, como o mandarim.

C.E.: O domínio de um segundo idioma é importante para profissionais de todas as áreas?
G.K.J.: Podemos dizer que existem algumas áreas que não sobrevivem e nem possuem espaço no mercado sem o segundo idioma, como é o caso dos profissionais da área de comércio exterior, relações internacionais e secretariado executivo. No jornalismo também é de extrema importância para o profissional que sonha com grandes emissoras de televisão. No secretariado executivo é sempre necessário mais do que um idioma. No comércio exterior, dependo da organização, o profissional fala mais da metade de sua jornada diária de trabalho em um idioma que não é o seu de natureza.

Não podemos esquecer de cargos mais operacionais, como os serventes de limpeza, camareiros e garçons que prestam serviços em hotéis, por exemplo. Para eles, falar um segundo idioma é um diferencial, principalmente se esse colaborador atua em um grande centro.

C.E.:
Aprender outra língua morando no exterior está mais acessível hoje?
G.K.J.: Não sei se podemos falar que está mais acessível em termos de valores, mas é possível por meio de muito planejamento, organização e principalmente força de vontade. Este objetivo tem que estar claro para a pessoa que vai para outro país a fim de aprender um segundo idioma. Hoje existem inúmeras opções tanto para iniciantes, como especializações mais específicas para quem já domina a língua e quer aperfeiçoar ainda mais. O importante, independente do nível social e econômico, é o objetivo estar claro. Desta forma, estabelece-se a meta e percorre-se o caminho até atingir o objetivo esperado.

C.E.:
Quais as dicas para aprender outra língua com mais facilidade e poucos recursos?
G.K.J.: Atualmente, temos muitos recursos. Existem pessoas que nascem com uma facilidade muito grande para aprender uma outra língua e outras aprendem sem gostar, isso depende de cada um. Temos a nossa disposição a tecnologia, a internet, está na palma da mão e existem mecanismos interessantes para aprender. Há muitos casos de pessoas que aprendem sozinhas, lendo livros e vendo filmes. Outros que buscam até o recurso da hipnose para identificar possíveis bloqueios e se curar para poder aprender a segunda língua.
Costumo dizer que o que importa, não são os problemas ou as dificuldades, o que importa é a vontade de atingir seu objetivo. Eu gosto sempre de usar algumas perguntas poderosas para ajudar as pessoas nisso:
1) de 0 a 10, quanto realmente é importante para você ter uma segunda língua?
2) de 0 a 10, quanto você está disponível a querer realmente aprender uma segunda língua?
3) o que você ganha com uma segunda língua?
4) o que você perde com uma segunda língua?
5) se você ganha mais do que perde, o que te impede de começar a se desenvolver neste exato momento?
6) de 0 a 10, quanto você está comprometido com você mesmo para atingir o objetivo de falar uma segunda língua?

Se após responder a essas questões optar por desenvolver um segundo idioma, basta definir um prazo, escrever como vai fazer isso e deixar claro alguns indicadores que mostrarão se está no caminho certo ou não. Depois disso, muito empenho, disciplina e como consequência, sucesso.

Dica

Em Curitiba há opções de cursos de idioma gratuitos. O Centro de Línguas Estrangeiras Modernas (Celem) é um deles, oferece cursos gratuitos de inglês, espanhol, alemão, francês, italiano, mandarim, ucraniano, japonês e polonês, nas escolas estaduais de ensino médio e possui vagas para a comunidade. A s inscrições são feitas on-line pelo site do Celem.

Outra opção é o CELIN da UFPR, ele oferece cursos de Alemão, Árabe, Chinês, Espanhol, Esperanto, Francês, Hebraico, Holandês, Inglês, Italiano, Japonês, Polonês, Russo, Ucraniano, Língua e Cultura Grega, Língua e Cultura Latina, Língua e Cultura Nórdica Antiga. Para se inscrever é preciso preencher um formulário on-line e levar cópia de RG e CPF até uma das secretarias do CELIN. Para realizar o curso gratuitamente é necessário comprovar renda, pois essas vagas são distribuídas de acordo com o Índice de Carência Financeiro.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.